A transmissão automática funciona hidraulicamente, usando um conversor de torque e um conjunto de diferentes engrenagens planetárias engatadas entre si que permitem a troca de marchas, sem a interrupção da transmissão de potência do motor.

O conjunto de engrenagens planetárias é o responsável por estabelecer todas as relações de transmissão que o câmbio pode produzir.

Por sua vez, o conversor de torque constitui-se de uma bomba (que lança o fluído hidráulico) permanentemente conectada ao motor, o estator (parte fixa, responsável por direcionar o fluxo do fluído) e uma turbina (que recebe o fluído) conectada à caixa de velocidades. A bomba lança o fluído com uma determinada força e a turbina recebe da bomba grande parte da força mecânica do mesmo, calculada em torno de 90%. Este porcentual pode chegar a 100% se o conversor dispuser de uma "embreagem de conversor" (ou hidromecânico).

De modo sintético, o câmbio automático é constituído pelos seguintes conjuntos de componentes:

Conjunto de engrenagens planetárias (engrenagem solar, engrenagem planetária e seu suporte, a engrenagem coroa).
Conjunto de cintas para travar algumas partes do conjunto de engrenagens.
Conjunto de três embreagens, em banho de óleo para travar outras partes do conjunto de engrenagens.
Bomba de engrenagem para circular o fluido hidráulico da caixa.
Sistema hidráulico para controlar as marchas e as cintas.

Procurar Dica

Entrar / Login

Agendar Revisão